C A- A A+

  0800 703 4545Atendimento 24 horas

Dicas de Saúde

O que é?

Hipertensão arterial é uma doença crônica determinada por elevados níveis de pressão sanguínea nas artérias, como pressão arterial sistólica maior ou igual a 140 mmHg e uma pressão arterial diastólica maior ou igual a 90 mmHg, em indivíduos que não estão fazendo uso de medicação anti-hipertensiva.

Sintomas

Habitualmente ela é uma doença silenciosa, podendo ocasionalmente causar tontura, dor de cabeça (geralmente localizada na nuca), zumbido, pontos brilhantes na visão, visão embaçada, sangramento nasal, cansaço e falta de ar.

Fatores de risco

Essa doença pode ser hereditária, mas alguns fatores podem influenciar nos níveis da pressão, como:

 

  • Fumo
  • Consumo de bebidas alcoólicas
  • Obesidade
  • Estresse
  • Grande consumo de sal
  • Níveis altos de colesterol
  • Falta de atividade física

Além desses fatores de risco, sabe-se que a incidência da hipertensão é maior na raça negra, aumenta com a idade, é maior entre homens com até 50 anos e entre mulheres acima de 50 anos e é maior em diabéticos.

Prevenção

Dez mandamentos para prevenção e controle da hipertensão arterial:

  1. Meça a pressão pelo menos uma vez por ano;
  2. Pratique atividades físicas todos os dias;
  3. Mantenha o peso ideal, evite a obesidade;
  4. Adote alimentação saudável: pouco sal, sem frituras, com mais frutas, verduras e legumes;
  5. Reduza o consumo de álcool (se possível não beba);
  6. Abandone o cigarro;
  7. Nunca pare o tratamento. É para toda a vida;
  8. Siga as orientações de seu médico ou profissional da saúde;
  9. Evite o estresse: tenha tempo para a família, os amigos e o lazer;
  10. Ame e seja amado.

 

O que é?

Para compreender o diabetes é preciso entender o papel do açúcar no organismo. Os alimentos sofrem digestão no intestino e assim se transformam em glicose que é absorvida pelo sangue e pelas células que a transformam em energia. Esse processo depende da presença de insulina, hormônio produzido no pâncreas. O diabetes ocorre quando o órgão não é capaz de produzir a insulina de maneira a suprir as necessidades do organismo, aumentando a concentração de glicose no sangue. Existem vários tipos de diabetes, mas todos têm essa deficiência como característica.

Sintomas

Muitos portadores de diabetes não sabem que tem a doença, visto que os sintomas podem ser confundidos com problemas comuns. Como por exemplo, vontade constante de urinar – especialmente à noite – e sede excessiva. Além de aumento do apetite, perda de peso – nos obesos isso ocorre mesmo comendo bastante, cansaço, visão embaçada, impotência sexual, entre outros.

Principais causas

- Obesidade (inclusive a obesidade infantil);
- Hereditariedade;
- Sedentarismo;
- Hipertensão;
- Idade superior a 40 anos;
- Estresse emocional.

Como prevenir

Em razão dos sintomas sutis, é importante realizar exames periódicos para controlar o nível de insulina no sangue e também a pressão arterial. Manter o peso normal, evitar o fumo e evitar medicamentos que possam agredir o pâncreas também é importante, assim como praticar atividades físicas regularmente.

O que é?

A obesidade é um dos maiores problemas de saúde pública em todo o mundo. Se caracteriza pelo acúmulo de gordura no corpo, causado por um consumo de calorias superior ao necessário pelo organismo para sua manutenção e atividades do dia a dia. O excesso de peso pode provocar várias doenças cardiovasculares, diabetes, apnéia do sono, entre outras. Em outras circunstâncias, a obesidade é o reflexo de outros males de saúde que comprometem a qualidade de vida e a longevidade.

Sintomas

A obesidade não apresenta sintomas claros no organismo, até que atinja índices elevados. Na prática, é fácil observar quando se está acima do peso. Nos homens, a gordura em excesso costuma se manifestar no abdômen, e nas mulheres no quadril. É importante salientar que o índice adequado de gordura no corpo varia em cada indivíduo, de acordo com a relação entre seu peso e altura. Para esse diagnóstico, o parâmetro mais utilizado é o do Índice de Massa Corporal (IMC), que divide o peso do indivíduo por sua altura elevada ao quadrado. Para ser considerado normal, o resultado deve ficar entre 18,5 e 24,9. Para ser considerado obeso, o IMC deve ultrapassar 30.
SUGESTÃO COLOCAR A TABELA DO IMC:
Menor que 18,5 – Abaixo do peso
Entre 18,5 e 24,9 – Peso normal
Entre 25 e 29,9 – Sobrepeso (acima do peso desejado)
Igual ou acima de 30 – Obesidade.

Principais causas

- Genética;
- Excesso de calorias na alimentação;
- Sedentarismo;
- Doenças como a diabetes tipo 2;
- Fatores emocionais.

Como prevenir

Visto que a falta de atividades físicas e a má alimentação são grandes causas da obesidade – e inúmeras doenças –, adotar hábitos saudáveis é essencial.  O acompanhamento médico e nutricional também é importante, especialmente após os 40 anos, quando o metabolismo começa a se tornar mais lento. O excesso de peso também têm crescido entre crianças e adolescentes, e por isso essas recomendações são importantes para todas as faixas etárias.

O que é?

A próstata é uma glândula do sistema reprodutor masculino que produz parte do sêmen, e está localiza na parte inferior do abdômen, abaixo da bexiga e à frente do reto. O câncer que aflige esse órgão é o tumor mais comum em homens acima de 50 anos, e similar a outros tipos da doença, que ocorrem quando as células passam a se multiplicar de forma desordenada.

Sintomas

Geralmente, o câncer de próstata cresce lentamente sem apresentar sintomas. Em estágios avançados, pode se manifestar por dificuldade para urinar, hematúria (presença de sangue na urina) e problemas de ereção. Outro sinal de que a doença evoluiu para um grau agressivo, é a dor óssea, principalmente na região das costas, devido à presença de metástases.

Principais causas

- Idade avançada (acima de 50 anos);
- Histórico familiar;
- Má alimentação (rica em gorduras e pobre em verduras, vegetais e frutas);
- Sedentarismo;
- Excesso de peso.

Como prevenir

Quanto mais cedo o câncer de próstata e detectado, maiores são as chances de cura. Por isso, é importante que os homens realizem o exame físico (toque retal) e laboratorial (dosagem do Prostate Specific Antigen – PSA) após consulta com um médico urologista. Caso sejam constatados aumento da glândula ou PSA alterado, deve ser realizada uma biópsia para averiguar a presença do tumor. A idade recomendada para realizar pela primeira vez o exame, de acordo com a Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) é de 45 anos para homens com casos da doença na família e 50 anos para os demais.

O que é?

Conhecido popularmente como derrame cerebral, o Acidente Vascular Cerebral (AVC) é uma alteração súbita da circulação de sangue em parte do cérebro, causada por um entupimento ou rompimento dos vasos sanguíneos, provocando assim uma paralisia na área afetada. Existem dois tipos: O acidente vascular isquêmico ocorre em 80% dos casos, e se caracteriza pela oclusão de um vaso sanguíneo, o que interfere nas funções neurológicas da região afetada; já o acidente vascular hemorrágico, ocorre com a ruptura de um vaso sanguíneo, o que leva a outros complicadores, como aumento da pressão intracraniana e edema (inchaço) cerebral.

Sintomas

- Fraqueza ou formigamento no rosto, perna ou braço (geralmente em apenas um lado do corpo);
- Alteração ou confusão na fala;
- Perda súbita da visão;
- Dor de cabeça intensa sem causa aparente;
- Vertigens, náuseas ou vômitos.

Principais causas

A hipertensão arterial associada a níveis de colesterol elevados são um fator de risco para o AVC. O risco aumenta quando associado ao fumo, álcool, diabetes, sedentarismo e excesso de peso. O histórico familiar e o estresse também são capazes de levar um individuo a sofrer o derrame.

Como prevenir

Hábitos de vida saudáveis são a melhor maneira de evitar esse mal. Adote uma dieta equilibrada, reduzindo a quantidade de açúcar, gordura, sal e bebidas alcoólicas, e pratique exercícios físicos. Também é importante controlar os níveis de colesterol e a pressão sanguínea.

O que é?

As glândulas da mama têm como principal função, a produção do leite, que se forma nos lóbulos e é conduzido até os mamilos por pequenos canais chamados ductos. Similar a outros tipos de câncer, quando as células da mama começam a se multiplicar de maneira anormal, um tumor maligno instalar-se nos ductos e mais raramente nos lóbulos, provocando o câncer de mama. Quando maligno esse é o tipo de tumor que mais causa a morte de mulheres em todo o mundo. Vale lembrar que os homens também podem desenvolver a doença, o que ocorre em 1% dos casos.

Sintomas

Em geral, o primeiro sinal da doença costuma ser a presença de um nódulo endurecido na mama que não causa dor. Outros sintomas que devem ser considerados são deformidades no seio, aumento da mama, a retração da pele ou do mamilo, os gânglios axilares aumentados, vermelhidão, edema, dor e a presença de líquido nos mamilos. É importante ressaltar que nem todo nódulo no seio representa o surgimento do câncer.

Principais causas

Mulheres entre 40 e 69 anos são as principais vítimas desse tipo de câncer, por conta da diminuição na produção do hormônio estrogênio nessa faixa etária. A menstruação precoce também pode influenciar, em razão do aumento do hormônio estrógeno, que pode influenciar na proliferação desordenada de células mamárias. O mesmo vale para a menopausa tardia, porque os ovários continuam a produzir o estrógeno. O histórico familiar é outra causa de forte influência na possibilidade de desenvolvimento do câncer, além da obesidade e do colesterol alto.

Como prevenir

- Evitar bebidas alcoólicas;
- Não fumar;
- Alimentação saudável;
- Prática de atividades físicas;
- Acompanhamento médico.

O que é?

A dislipidemia é caracterizada pela presença de níveis elevados de lipídios (gorduras) no sangue. Entre eles, o LDL (colesterol ruim), o HDL (colesterol bom) e triglicerídeos, substâncias importantes para o funcionamento do organismo, porém, quando em excesso, provocam riscos de infarto e derrame.

Sintomas

A dislipidemia é assintomática, ou seja, não apresenta sintomas. Por isso, é importante realizar exames periódicos para averiguar as dosagens de colesterol e triglicérideos. Recomenda-se que todo indivíduo a partir dos 20 anos faça essa avaliação a cada cinco anos. Quem tem histórico de colesterol alto na família deve ter cuidado redobrado.

Principais causas

- Pressão alta não tratada;
- Aumento de LDL (colesterol ruim);
- Baixo HDL (colesterol bom);
- Sedentarismo;
- Obesidade;
- Diabetes;
- Hereditariedade.

Como prevenir

Os níveis desejáveis de colesterol (HDL e LDL) variam em cada indivíduo, por isso, é importante consultar o médico antes e depois de realizar os exames. Como muitos outros males, a melhor maneira de tratar a dislipidemia é adotar hábitos saudáveis, como dieta equilibrada, praticar exercícios e manter o peso ideal. Recomenda-se também não fumar, ingerir bebidas alcoólicas com moderação. Pessoas com altos índices de triglicérides devem reduzir a ingestão de carboidratos.

O que é?

A imunodeficiência humana (HIV) é a sigla em inglês do vírus causador da AIDS, síndrome que ataca o sistema imunológico, tornando o organismo vulnerável a várias doenças. Ter o HIV (ser soro positivo) não é o mesmo que ter a AIDS, que pode ser considerada a mais grave entre as Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs). Gonorréia, herpes, sífilis e clamídia são algumas das DSTs mais comuns, ocasionadas na maioria das vezes, por fungos, bactérias e outros vírus. Em alguns casos, o surgimento de uma dessas doenças pode indicar também a contaminação por vírus mais perigosos, como o HIV.

Sintomas

Muitas pessoas vivem anos com o vírus HIV sem desenvolver a doença. E exatamente por isso, podem transmitir o vírus a outros por meio de relações sexuais, pelo compartilhamento de seringas contaminadas ou de mãe para filho durante a gravidez e a amamentação. Apesar disso, alguns sintomas costumam aparecer de duas a quatro semanas após a contaminação. Entre eles, febre constante, manchas na pele (sarcoma de Kaposi), calafrios, ínguas, dores de cabeça, de garganta e dores musculares. No caso das DSTs, a maioria delas se manifesta por meio de feridas, corrimentos, bolhas ou verrugas nos órgãos sexuais.

Principais causas

O HIV sobrevive somente poucos minutos em ambiente externo. Por isso, sua transmissão depende do contato com as mucosas ou com alguma área ferida no corpo da pessoa infectada. É importante ressaltar que a AIDS não é transmitida pelo suor, beijo, alicates de unha, lâminas de barbear, uso de banheiros públicos, picadas de mosquitos ou qualquer outro meio que não envolva a relação sexual desprotegida de preservativo, ou pelo uso de agulhas, produtos sanguíneos infectados ou da mãe para o filho. No caso das DSTs, os agentes causadores podem estar incubados no indivíduo infectado, mesmo sem sintomas aparentes, o que permite a transmissão.   


Como prevenir

A relação sexual com preservativo é a maneira mais segura de se proteger contra a AIDS e as DSTs, assim como o uso de seringas descartáveis em transfusões sanguíneas ou uso de drogas injetáveis. Gestantes devem obrigatoriamente fazer o teste de HIV durante o pré-natal, visto que as infectadas que realizam tratamento não transmitem a doença ao feto. Pessoas com vida sexual ativa com diferentes parceiros devem realizar o teste contra HIV sempre que tiverem uma relação sem proteção. As mesmas recomendações são válidas para as doenças sexualmente transmissíveis.

O que é?

O câncer de colo do útero, também conhecido por câncer cervical, é provocado na maioria das vezes, pelo Papilomavírus Humano, o HPV. A infecção genital por esse vírus nem sempre causa a doença. Contudo, em alguns casos, ocorrem alterações celulares que evoluem no câncer. Embora sua incidência esteja diminuindo, ainda está entre as enfermidades que mais matam mulheres no Brasil.

Sintomas

No início, o câncer de colo do útero não tem sintomas. Quando finalmente aparecem, é comum um sangramento vaginal logo após as relações sexuais, no intervalo entre o período menstrual ou após a menopausa; e corrimento vaginal (leucorreia) de cor escura e odor forte. Nos estágios mais avançados da doença, os sinais se tornam mais aparentes, entre eles o surgimento de uma massa palpável no colo de útero; hemorragias; obstrução das vias urinárias e intestinos; dores abdominais; e perda de peso e apetite. A infecção por HPV também causa verrugas genitais, que podem ser difíceis de enxergar. Portanto, se uma mulher observar verrugas nos genitais do parceiro, deve evitar a relação sexual.

Principais causas

- Atividade sexual de risco (o que permite a infecção com o HPV);
- baixa imunidade;
- Fumo;
- Más condições de higiene.

Como prevenir

Muitas pessoas podem ter o vírus HPV e não ter conhecimento, visto que em muitos casos, portá-lo não desencadeia o câncer. Por isso, praticar sexo seguro (com camisinha) diminui o risco de contaminação, assim como de outras doenças sexualmente transmissíveis. Visto que as lesões que precedem o câncer do colo de útero não têm sintomas, a melhor maneira de se prevenir é fazendo o exame preventivo, conhecido como Papanicolaou. Vale Lembrar que quando diagnosticado na fase inicial, as chances de cura são de 100%.

O que é?

Doenças cardíacas são os distúrbios que afetam a capacidade do coração de funcionar normalmente. Elas são normalmente ocasionadas por um estreitamento ou bloqueio nas artérias coronárias que fornecem sangue ao músculo cardíaco. As mais comuns são: Doença arterial coronariana; alterações nos batimentos cardíacos (arritmias); parada cardíaca; doenças das válvulas cardíacas; cardiomiopatias; disfunções da aorta (síndrome de Marfan); doenças vasculares, entre outras. Algumas delas são congênitas, isto é, estão presentes desde o nascimento. Enquanto muitas outras surgem em razão de hábitos de vida não saudáveis.

Sintomas

As doenças não congênitas não apresentam sintomas em estágios iniciais. E apesar de variados, os males do coração podem se manifestar por meio de falta de ar, palpitações e dores torácicas, nos braços ou mandíbula, especialmente após as atividades físicas. Algumas pessoas também podem sofrer desmaios, tosse seca, inchaço nas pernas e impotência sexual.

Principais causas

- Níveis altos de colesterol no sangue;
- Hipertensão arterial;
- Idade superior a 60 anos;
- Diabetes;
- Estresse;
- Fumo;
- Consumo excessivo de álcool;
- Má alimentação;
- Sedentarismo.

Como prevenir

Evitar sal, açúcar e gorduras na dieta e dar preferência a frutas, verduras e uma alimentação balanceada é uma excelente maneira de evitar as doenças cardíacas. Além disso, manter o peso ideal e praticar exercícios físicos acompanhadas por um médico cardiologista.

O que é?

A gripe é uma infecção do sistema respiratório provocada pelo vírus influenza. Pode provocar diferentes tipos e subtipos da doença, que na maioria das vezes, surge subitamente, provoca a gripe por cerca de uma semana, e com tratamento simples é curada sem maiores sequelas. Contudo, nos casos mais graves, evolui para a pneumonia e quadros de insuficiência respiratória, mais comuns em pessoas vulneráveis, entre eles, idosos, crianças de até dois anos, gestantes e portadores de doenças crônicas.

Sintomas

Muitas pessoas confundem resfriados com gripes, mas essas são enfermidades distintas: os resfriados provocam espirros, coriza, irritação na garganta e outros sintomas similares, porém de forma mais branda, deixando o individuo apenas indisposto; enquanto a gripe é capaz até de matar. Seus principais sintomas são febre alta (acima de 38ºC), dores musculares, de garganta, de cabeça, nas articulações, tosse seca, entre outros.

Principais causas

Diferentemente do resfriado que, na maioria das vezes, se dissemina pelo contato direto, o Influenza se espalha pelo ar. Quando a pessoa gripada espirra, tosse ou fala, o vírus se mantém no ar por um tempo suficiente para ser inalado por outras pessoas. Ao chegar ao nariz, se reproduz, contaminando a garganta e o restante das vias aéreas, incluindo os pulmões. Em alguns casos, é transmitido pelas mãos, quando o indivíduo toca na outra pessoa e posteriormente leva a mão à boca ou ao nariz.

Como prevenir

A gripe costuma apresentar surtos em determinadas épocas do ano, mais frequentemente no inverno ou em períodos frios. Uma excelente forma de prevenção é vacina, que precisa ser reaplicada com uma freqüência média de um ano,  visto que sua composição é alterada de acordo com o tipo de vírus mais provável a se disseminar. Também é recomendado lavar sempre as mãos, evitar tocar os olhos, boca e nariz após contato com superfícies; não compartilhar objetos de uso pessoal; e manter os ambientes arejados, com portas e janelas abertas.

O que é?

A hepatite é uma doença que provoca inflamação no fígado. Pode ser causada pela transmissão do vírus, medicamentos, álcool, drogas e até em decorrência de outras doenças. Entre os vários tipos de hepatite, o B e C são os tipos virais mais graves encontrados no Brasil. A hepatite B possui tratamento, mas a cura total é rara. Porém, é possível conviver com a doença, tratando-a por períodos de tempo variáveis. No caso da C, é a principal causa de transplantes de fígado, respondendo por 40% dos casos. Estima-se que milhões de pessoas não têm conhecimento que portam o vírus da hepatite.

Sintomas

A hepatite B e C pode agredir silenciosamente o fígado por até 30 anos, só então se manifestando por meio de cirrose ou câncer. Dessa forma, não apresenta sintomas até chegar um estágio avançado, quando surge cansaço, febre, mal-estar, tontura, enjoo, vômitos, dor abdominal, pele e olhos amarelados e urina escura.

Principais causas

O tipo B é transmitido principalmente nas relações sexuais e pelo contato sanguíneo. Já a C é considerada a maior epidemia do mundo atualmente, com um índice de contaminados cinco vezes maior que o da AIDS. A transmissão é por contato sanguíneo em transfusões, dentistas, tatuagens, seringas compartilhadas, etc. Não se transmite pela relação sexual, exceto em caso de contato com o sangue.

Como prevenir

A rede pública de saúde oferece a vacina contra a hepatite B, que deve ser tomada em três doses. Mesmo protegido com ela, e válido também para o tipo C, a melhor prevenção é manter relações sexuais com o uso do preservativo, especialmente se a pessoa possui vários parceiros. Deve-se evitar compartilhar seringas durante aplicação de drogas injetáveis, e adotar os procedimentos de segurança e assepsia quando em contato com sangue,  (estúdios de tatuagem, consultórios odontológicos, etc).